quarta-feira, 31 de dezembro de 2008



Procuremos somente a Beleza, que a vida
É um punhado infantil de areia ressequida,
Um som de água ou de bronze e uma sombra que passa...

domingo, 21 de dezembro de 2008

Assim eu sei...



Pelas cores da minha estrada,
Vou embora e chego lá.
Olho para ti
Ou não olho
Como sei
Ou não sei
Que tudo o que é ou não é
É a minha estrada
Ou não é nada.
Serei
O sitio onde me leva
E não sei se chego lá…,
Mas serei a minha estrada
Ou não serei nada.
Assim eu sei.


Lost In The Stars

domingo, 14 de dezembro de 2008

Poema em linha recta

Nunca conheci quem tivesse levado porrada.
Todos os meus conhecidos têm sido campeões em tudo.

E eu, tantas vezes reles, tantas vezes porco, tantas vezes vil,
Eu tantas vezes irrespondivelmente parasita,
Indesculpavelmente sujo,
Eu, que tantas vezes não tenho tido paciência para tomar banho,
Eu que tantas vezes tenho sido ridículo, absurdo,
Que tenho enrolado os pés publicamente nos tapetes das etiquetas,
Que tenho sido grotesco, mesquinho, submisso e arrogante,
Que tenho sofrido enxovalhos e calado,
Que quando não tenho calado, tenho sido mais ridículo ainda;
Eu, que tenho sido cómico criadas de hotel,
Eu, que tenho sentido o piscar de olhos dos moços de fretes,
Eu que tenho feito vergonhas financeiras, pedido emprestado sem pagar,
Eu, que, quando a hora do soco surgiu, me tenho agachado,
Para fora da possiblidade do soco;
Eu que tenho sofrido a angústia das pequenas coisas ridículas,
Eu que verifico que não tenho par nisto neste mundo.

Toda a gente que eu conheço e que fala comigo,
Nunca teve um acto ridículo, nunca sofreu um enxovalho,
Nunca foi senão - princípe - todos eles princípes - na vida...

Quem me dera ouvir de alguém a voz humana,
Quem confessasse não um pecado, mas uma infâmia;
Não, são todos o Ideal, se os oiço e me falam.
Quem há neste largo mundo que me confesse que uma vez foi vil?
Ó princípes, meus irmãos,

Arre, estou farto de semideuses!
Onde há gente no mundo?

Então só eu que é vil e erróneo nesta terra?

Poderão as mulheres não os terem amado,
Podem ter sido traídos - mas ridículos nunca!
E eu, que tenho sido ridículo sem ter sido traído,
Como posso eu falar com os meus superiores sem titubear?
Eu, que tenho sido vil, literalmente vil,
Vil no sentido mesquinho e infame da vileza.

Álvaro de Campos

sábado, 13 de dezembro de 2008


"Existem apenas duas maneiras de ver a vida. Uma é pensar que não existem milagres e a outra é que tudo é um milagre."


"A vida é uma tragédia quando vista de perto, mas uma comédia quando vista de longe."

sexta-feira, 5 de dezembro de 2008

...quais ventos,
quais sóis,
quais luas ou estrelas,
se a minha paixão
dorme em teu ventre.....







Nimbus
...e meu lápis,
conduz-me a ti....



....numa louca
procura de linhas....





Nimbus

quarta-feira, 3 de dezembro de 2008

"... teu nome, pronuncia teu nome
para que seja impossível esquecer-me do meu.
diz-me o teu nome de ontem,
quando éramos o reflexo exacto um do outro.
Toca-me o rosto com o teu nome,
ou pousa-o sobre as mãos;
debruça-te para dentro de mim
e deixa que o segredo do tempo fulmine os ossos."



Al Berto - O Medo

Entre o luar e o arvoredo



Entre o luar e o arvoredo,
Entre o desejo e não pensar
Meu ser secreto vai a medo
Entre o arvoredo e o luar.
Tudo é longínquo, tudo é enredo.
Tudo é não ter nem encontrar.
Entre o que a brisa traz e a hora,
Entre o que foi e o que a alma faz,
Meu ser oculto já não chora
Entre a hora e o que a brisa traz.
Tudo não foi, tudo se ignora.
Tudo em silêncio se desfaz.

quarta-feira, 26 de novembro de 2008

Pele


Eu preciso. Mesmo que negue
necessito... do teu abraço, tua pele
teu sorriso, teu olhar, tuas mão nas minhas
me guiando pelas estradas de ruas vazias.
Eu quero. Mesmo que eu não seja perfeita;
você e eu, braços em laços nessa cama estreita.
Quero um gesto, uma palavra que me faça sentir
que essa existência valeu a pena quando eu partir.
E que nossos corpos sejam um único traço
dentro das linhas tortuosas que escrevi.
O nosso amor, nós dois, um laço
Um passo que sem ensaio me atrevi.

segunda-feira, 24 de novembro de 2008

Pedra Filosofal

Eles não sabem que o sonho
É uma constante da vida
Tão concreta e definida
Como outra coisa qualquer

Como esta pedra cinzenta
Em que me sento e descanso
Como este ribeiro manso
Em serenos sobressaltos

Como estes pinheiros altos
Que em verde e oiro se agitam
Como estas aves que gritam
Em bebedeiras de azul

Eles não sabem que sonho
É vinho, é espuma, é fermento
Bichinho alacre e sedento
De focinho pontiagudo
Em perpétuo movimento

Eles não sabem que o sonho
É tela, é cor, é pincel
Base, fuste ou capitel
Arco em ogiva, vitral,
Pináculo de catedral,
Contraponto, sinfonia,
Máscara grega, magia,
Que é retorta de alquimista

Mapa do mundo distante
Rosa dos ventos, infante
Caravela quinhentista
Que é cabo da boa-esperança

Ouro, canela, marfim
Florete de espadachim
Bastidor, passo de dança
Columbina e arlequim

Passarola voadora
Pára-raios, locomotiva
Barco de proa festiva
Alto-forno, geradora

Cisão do átomo, radar
Ultra-som, televisão
Desembarque em foguetão
Na superfície lunar

Eles não sabem nem sonham
Que o sonho comanda a vida
E que sempre que o homem sonha
O mundo pula e avança
Como bola colorida
Entre as mãos duma criança

Eu tenho pena da Lua!
Tanta pena, coitadinha,
Quando tão branca, na rua
A vejo chorar sozinha!…


As rosas nas alamedas,
E os lilases cor da neve
Confidenciam de leve
E lembram arfar de sedas


Só a triste, coitadinha…
Tão triste na minha rua
Lá anda a chorar sozinha …


Eu chego então à janela:
E fico a olhar para a lua…
E fico a chorar com ela! …



Florbela Espanca - Trocando olhares - 23/04/1917

Realidade...



...lá fora

a lua é uma realidade,

aqui...

o frio é saudade,

mendigo

nesse teu corpo nu,

aura de mel,

ventre de sabre

ferida eterna....

manta inútil,

neste aguçado

e mudo

grito por ti.......

sexta-feira, 21 de novembro de 2008

Eu


olhares
sons
sombras
recordações


lugares
cheiros
sabores
sensações


sorrisos
corações
calor
vida

Leve Beijo Triste


Teimoso subi
Ao cimo de mim
E no alto rasgei
As voltas que dei

Sombra de mil sóis em glória
Cobrem todo o vale ao fundo
Dorme meu pequeno mundo

Como um barco vazio
P'las margens do rio
Desce o denso véu lilás
Desce em silêncio e paz
Manso e macio

Deixa que te leve
assim tão leve
Leve e que te beije meu anjo triste
Deixo-te o meu canto canção tão breve
Brando como tu amor pediste

Não fales calei
Assim fiquei
Sombra de mil sóis cansados
Crescendo como dedos finos
A embalar nossos destinos

Deixa que te leve
assim tão leve
Leve e que te beije meu anjo triste
Deixo-te o meu canto canção tão breve
Brando como tu amor pediste

Paulo Gonzo

segunda-feira, 17 de novembro de 2008


"Posso ser leve como uma brisa,
ou forte como uma ventania,
depende de quando,
e como você me vê passar"




"Nem acredites se pensas que te falo:
palavras são meu
jeito mais secreto de calar.”

(Não: não digas nada!)

Não: não digas nada!
Supor o que dirá
A tua boca velada
É ouvi-lo já

É ouvi-lo melhor
Do que o dirias.
O que és não vem à flor
Das frases e dos dias.

És melhor do que tu.
Não digas nada: sê!
Graça do corpo nu
Que invisível se vê.



Fernando Pessoa - Cancioneiro

sábado, 15 de novembro de 2008

A Invisibilidade de Deus

dizem que em sua boca se realiza a flor
outros afirmam: a sua invisibilidade é aparente
mas nunca toquei deus nesta escama de peixe
onde podemos compreender todos os oceanos
nunca tive a visão de sua bondosa mão

o certo
é que por vezes morremos magros até ao osso
sem amparo e sem deus
apenas um rosto muito belo surge etéreo
na vasta insónia que nos isolou do mundo
e sorri
dizendo que nos amou algumas vezes
mas não é o rosto de deus
nem o teu nem aquele outro
que durante anos permaneceu ausente
e o tempo revelou não ser o meu


Al Berto, in 'Sete Poemas do Regresso de Lázaro'

segunda-feira, 10 de novembro de 2008

O Homem e a Mulher......

.............O homem é a mais elevada das criaturas. A mulher, o mais sublime dos ideais.
Deus fez para o homem um trono; para a mulher fez um altar. O trono exalta e o altar santifica.
O homem é o cérebro; a mulher, o coração. O cérebro produz a luz; o coração produz amor. A luz fecunda; o amor ressuscita.
O homem é o génio; a mulher é o anjo. O génio é imensurável; o anjo é indefenível; A aspiração do homem é a suprema glória; a aspiração da mulher é a virtude extrema; A glória promove a grandeza e a virtude, a divindade.
O homem tem a supremacia; a mulher, a preferência. A supremacia significa a força; a preferência representa o direito.
O homem é forte pela razão; a mulher, invencível pelas lágrimas. A razão convence e as lágrimas comovem.
O homem é capaz de todos os heroísmos; a mulher, de todos os martírios. O heroísmo enobrece e o martírio purifica.
O homem pensa e a mulher sonha. Pensar é ter uma larva no cérebro; sonhar é ter na fronte uma auréola.
.......O homem é a águia que voa; a mulher, o rouxinol que canta. Voar é dominar o espaço e cantar é conquistar a alma.......

..............Enfim, o homem está colocado onde termina a terra; a mulher, onde começa o céu............

sábado, 8 de novembro de 2008

Sou um evadido....

Sou um evadido.
Logo que nasci
Fecharam-me em mim,
Ah, mas eu fugi.

Se a gente se cansa
Do mesmo lugar,
Do mesmo ser
Por que não se cansar?

Minha alma procura-me
Mas eu ando a monte,
Oxalá que ela
Nunca me encontre.

Ser um é cadeia,
Ser eu é não ser.
Viverei fugindo
Mas vivo a valer.


Fernando Pessoa






........E eu sinto que em meu gesto existe o teu gesto e em minha voz a tua voz......







Fernando Pessoa

terça-feira, 4 de novembro de 2008

Anjo


Se vês estrelas demais
Lembra-te que um sonho não volta atrás
chega perto e diz
Anjo


Se sentes o corpo colar
Solta o teu medo bem devagar
Chega perto e diz
Anjo
Bem mais perto e diz
Anjo


Se uma coisa louca
Sai do teu olhar
Fica em silêncio
Deixa o amor entrar
Pra que tanta pressa de chegar
Se eu sei a forma e o lugar.

segunda-feira, 3 de novembro de 2008

"Todas as ocupações dos homens tendem à posse de alguma coisa; e eles não têm nem título para a possuir justamente, nem força para a possuir com segurança "
Pascal
“É indispensável conhecermo-nos a nós próprios; mesmo se isso não bastasse para encontrarmos a verdade, seria útil, ao menos para regularmos a vida, e nada há de mais justo”
Pascal
...Os escritores raramente escrevem o que pensam. Limitam-se a escrever o que pensam que os outros pensam que eles pensam...
...Pensar é querer transmitir aos outros aquilo que se julga que se sente ....
....Falhamos ao traduzir exactamente o que se sente na nossa alma: o pensamento continua a não poder medir-se com a linguagem....
.....A subtileza do pensamento consiste em descobrir a semelhança das coisas diferentes e a diferença das coisas semelhantes....
....Os sentimentos dos que te são mais próximos constituem a crítica ao conhecimento que tu tens de ti mesmo, tanto em nobreza como em baixeza ....
.............Abandonando nobremente quem nos deixa.................
......... colocamo-nos acima de quem perdemos............

sexta-feira, 31 de outubro de 2008

Sempre demasiado preocupado com aparências,

Pulei de opinião...em opinião...

acordei longe de mim...

Amou....

Amou
E ama
E amará
Só não quer que seu amor
Seja uma prisão de dois,
Um contrato, entre boçejos
e quatro pés de chinelos.





Carlos Drummond de Andrade

quarta-feira, 29 de outubro de 2008

Chuva



As coisas vulgares que há na vida
Não deixam saudades
Só as lembranças que doem
Ou fazem sorrir


Há gente que fica na história
da história da gente
e outras de quem nem o nome
lembramos ouvir


São emoções que dão vida
à saudade que trago
Aquelas que tive contigo
e acabei por perder


Há dias que marcam a alma
e a vida da gente
e aquele em que tu me deixaste
não posso esquecer


A chuva molhava-me o rosto
Gelado e cansado
As ruas que a cidade tinha
Já eu percorrera


Ai... meu choro de moça perdida
gritava à cidade
que o fogo do amor sob chuva
há instantes morrera


A chuva ouviu e calou
meu segredo à cidade
E eis que ela bate no vidro
Trazendo a saudade


Jorge Fernando

segunda-feira, 27 de outubro de 2008

domingo, 26 de outubro de 2008

A Vida passa lá em baixo

Há dias em que subo ao meu planeta...
E me sento na beirinha, olhando a vida lá em baixo...
Como água de um rio, ela passa sem parar...
E não nos deixa segunda oportunidade

Sempre pensei que ela me trataria de um modo,
Carinhoso e gentil....a ingenuidade me levava a crer...
Que haveria um dia... em que reclamaria para mim,
O prémio natural...de uma simples existência.

sábado, 25 de outubro de 2008

Canção segredo

Eu queria ser alguém melhor
E ter assim razões para querer
Que o nosso amor te importa
E me vais abrigar se em teu coração começar a chover

Calando assim a voz que me diz
Nada mais o amor te deve
Mas é no coração que o escreve

Não queria temer pelo pior nem
Pelo que o futuro pode ou não vir a trazer
E se o nosso amor acabar meu amor eu juro
Que eu não quero mais viver

Calando assim a voz que me diz
Nada mais o amor te deve
Mas é no coração que o escreve

Meu amor não cantes esta canção
Ela não pertence ao mundo que eu quero para nós
Ela não vão embalar o nosso amor.

Manuel Cruz

sexta-feira, 24 de outubro de 2008

A noite grita por mim


A palavra a razão as vezes em vão gritada por mim em momentos de solidão, instinto carnal por vezes banal lembranças em mim desejo final.

Travar batalhas perdidas o mundo sozinho esquecido...

Porque a noite grita e chora sempre por mim, hoje ainda sinto esta ausência de ti, porque a noite grita e chora sempre por mim pois a noite sabe que não estas aqui para mim.

Procurando o vazio em um sonho tao frio que eu quero esquecer em um momento ta sombrio,

Travar batalhas perdidas o mundo sozinho esquecido.

Porque a noite grita e chora sempre por mim, hoje ainda sinto esta ausência de ti, porque a noite grita e chora sempre por mim pois a noite sabe que não estas aqui.

Para mim.

domingo, 19 de outubro de 2008

Eu


Eu sou a que no mundo anda perdida,
Eu sou a que na vida não tem norte,
Sou a irmã do Sonho,
e desta sorteSou a crucificada... a dolorida...
Sombra de névoa tênue e esvanecida,
E que o destino amargo, triste e forte,
Impele brutalmente para a morte!
Alma de luto sempre incompreendida!...
Sou aquela que passa e ninguém vê...
Sou a que chamam triste sem o ser...
Sou a que chora sem saber porquê...
Sou talvez a visão que Alguém sonhou,
Alguém que veio ao mundo pra me ver,
E que nunca na vida me encontrou!


Florbela Espanca

sábado, 18 de outubro de 2008


Sim, sei bem
Que nunca serei alguém.
Sei de sobra
Que nunca terei uma obra.
Sei, enfim,
Que nunca saberei de mim.
Sim, mas agora,
Enquanto dura esta hora,
Este luar, estes ramos,
Esta paz em que estamos,
Deixem-me crer
O que nunca poderei ser.

sexta-feira, 17 de outubro de 2008

Round Here - Counting Crows

Step out the front door like a ghost into the fog
Where no one notices the contrast of white on white
And in between the moon and you the angels get a better view
Of the crumbling difference between wrong and right
I walk in the air between the rain through myself and back again
Where? I dont know
Maria says shes dying through the door I hear her crying
Why? I dont know

Round here we always stand up straight
Round here something radiates

Maria came from nashville with a suitcase in her hand
She said shed like to meet a boy who looks like elvis
She walks along the edge of where the ocean meets the land
Just like shes walking on a wire in the circus
She parks her car outside of my house
Takes her clothes off
Says shes close to understanding jesus
She knows shes more than just a little misunderstood
She has trouble acting normal when shes nervous

Round here were carving out our names
Round here we all look the same
Round here we talk just like lions
But we sacrifice like lamb
Round here shes slipping through my hands

Sleeping children better run like the wind
Out of the lightning dream
Mamas little baby better get herself in
Out of the lightning

She says its only in my head
She says shhh I know its only in my head
But the girl on car in the parking lot saysman you should try to take a shot
Cant you see my walls are crumbling?
Then she looks up at the building and says shes thinking of jumping
She says shes tired of life she must be tired of something

Round here shes always on my mind
Round here hey man got lots of time
Round here were never sent to bed early
And nobody makes us wait
Round here we stay up very, very, very, very late
I cant see nothing, nothing round here
Catch me if Im falling

é tarde, meu amor...

é tarde meu amor
estou longe de ti com o tempo, diluíste-te nas veias das marés, na saliva de meu corpo sofrido
agora, tuas máquinas trituraram-me, cospem-me, interrompem o sono
habito longe, no coração vivo das areias, no cuspo límpido dos corais...
a solidão tem dias mais cruéis

tentei ser teu, amar-te e amar o falso ouro...quis ser grande e morrer contigo
enfeitar-me com as tuas luas brancas, pratear a voz em tuas águas de seda...cantar-te os gestos com ternura
mas não

águas, águas inquinadas pulsando dentro do meu corpo, como um peixe ferido, louco
em mim a lama... e o visco inocente dos teus náufragos sem nome-de-rua, nem estátua-de-jardim-público
aceito o desafio do teu desdém

na boca ficou-me um gosto a salmoura e destruição
apenas possuo o corpo magoado destas poucas palavras tristes que te cantam

quinta-feira, 16 de outubro de 2008

O ultimo adeus...


Todo o humano
se esvai
de sua face



logo ela desaparecerá
no calmo
pântano vegetal
Fique!Meu amor selvagem!

O NOSSO LIVRO


Livro do meu amor, do teu amor,


Livro do nosso amor , do nosso peito...


Abre-lhe as folhas devagar, com jeito,


Como se fossem pétalas de flor.



Olha que eu outro já não sei compor


Mais santamente triste, mais perfeito


Não esfolhes os lírios como que é feito


Que outros não tenho em meu jardim de dor!



Livro de mais ninguém! Só meu! Só teu!


Num sorriso tu dizes e digo eu:


Versos só nossos mas que lindos sois!



Ah! meu Amor! Mas quanta, quanta gente


Dirá, fechando o livro docemente:


"Versos só nossos, só de nós os dois!"



Florbela Espanca

terça-feira, 14 de outubro de 2008

Bella Luna


Mystery the moon

A hole in the sky

A supernatural nightlight

So full but often right

A pair of eyes a closing one

A chosen child in golden sun

A marble dog that chases cars

To farthest reaches of the beach and far beyond into the swimming sea of stars

The cosmic fish they love to kiss

They're giving birth to constellations

No riffs and oh no reservation

If they should fall you get a wish or dedication

May I suggest you get the best

For nothing less than you and I

Let's take a chance as this romance is rising over before we lose the lighting

Oh bella bella please

Bella you beautiful luna

Oh bella do what you do

Do do do do do

You are an illuminating anchor

Of leagues to infinite number

Of crashing waves and breaking thunder

Tiding the ebb an flows of hunger

You're dancing naked there for me

You expose all memory

You make the most of boundary

You're the ghost of royalty imposing love

You are the queen and king combining everything

Intertwining like a ring around the finger, of a girl

I'm just a singer, you're the world

All I can bring ya

Is the language of a lover

Bella luna, my beautiful beautiful moon

How you swoon me like no other

May I suggest you get the best

Of your wish may I insist

That no contest for little you or smaller I

A larger chance set, but all them may lie

On the rise, on the brink of our lives

Bella pleaseBella you beautiful luna

Oh bella do what you doBella luna

My beautiful beautiful moon

How you swoon me like no other, oh oh oh


Jason Mraz

Feiticeira


De que noite demorada
Ou de que breve manhã
Vieste tu, feiticeira
De nuvens deslumbrada
De que sonho feito mar
Ou de que mar não sonhado
Vieste tu, feiticeira
Aninhar-te ao meu lado
De que fogo renascido
Ou de que lume apagado
Vieste tu, feiticeira
Segredar-me ao ouvido
De que fontes de que águas
De que chão de que horizonte
De que neves de que fráguas
De que sedes de que montes
De que norte de que lida
De que deserto de morte
Vieste tu feiticeira
Inundar-me de vida.


Luis Represas

segunda-feira, 13 de outubro de 2008

Súplica


Olha pra mim, amor, olha pra mim;
Meus olhos andam doidos por te olhar!
Cega-me com o brilho de teus olhos
Que cega ando eu há muito por te amar.
O meu colo é arrninho imaculado
Duma brancura casta que entontece;
Tua linda cabeça loira e bela
Deita em meu colo, deita e adormece!
Tenho um manto real de negras trevas
Feito de fios brilhantes d`astros belos
Pisa o manto real de negras trevas
Faz alcatifa, oh faz, de meus cabelos!
Os meus braços são brancos como o linho
Quando os cerro de leve, docemente...Oh!
Deixa-me prender-te e enlear-te
Nessa cadeia assim etemamente!
...Vem para mim,amor...
Ai não desprezes
A minha adoração de escrava louca!
Só te peço que deixes exalar
Meu último suspiro na tua boca!...


Florbela Espanca

Amor dos Fogos


.....vêm sôfregos os peixes da madrugada
beber o marítimo veneno das grandes travessias
trazem nas escamas a primavera sombria do mar largam minúsculos cristais de areia junto à boca
e partem quando desperto no tecido húmido dos sonhos
.... vem deitar-te comigo no feno dos romances
para que a manhã não solte o ciúme
e de novo nos obrigue a fugir....
.... vem estender-te onde os dedos são aves sobre o peito
esquece os maus momentos a falta de notícias a preguiça
ergue-te e regressa
para olharmos a geada dos astros deslizar nas vidraças
e os pássaros debicam o outono no sumo das amoras....
.... iremos pelos campos
à procura do silente lume das cassiopeias...

A felicidade exige valentia.


"Posso ter defeitos, viver ansioso e ficar irritado algumas vezes mas, não
esqueço de que minha vida é a maior empresa do mundo, e posso evitar que ela
vá à falência.
Ser feliz é reconhecer que vale a pena viver apesar de todos os desafios,
incompreensões e períodos de crise. Ser feliz é deixar de ser vítima dos
problemas e se tornar um autor da própria história.
É atravessar desertos fora de si, mas ser capaz de encontrar um oásis no
recôndito da sua alma.
É agradecer a Deus a cada manhã pelo milagre da vida. Ser feliz é não ter
medo dos próprios sentimentos. É saber falar de si mesmo. É ter coragem para
ouvir um "não". É ter segurança para receber uma crítica, mesmo que injusta.
Pedras no caminho?
Guardo todas, um dia vou construir um castelo..."

domingo, 12 de outubro de 2008

Rosto...


.... o teu rosto

é um segredo que guardo

em mim...

....numa ilha que

desejo conquistar.....

Mates are chosen first by visual appeal. Not odor, rythm, skin. It is an error to believe that the eye can caress a woman. Is a woman constructed out of light or of skin? Her image is never real in the eye, it is engraved on the ends of the fingers.



Texto publicado na revista eye - Doors

Quando eu morrer voltarei para buscar os instantes que nao vivi junto do mar.



Sofia de Mello Breyner Andresen

Os versos que te fiz



Deixa dizer-te os lindos versos raros

Que a minha boca tem pra te dizer!

São talhados em mármore de Paros

Cinzelados por mim pra te oferecer.


Têm dolência de veludos caros,

São como sedas pálidas a arder...

Deixa dizer-te os lindos versos raros

Que foram feitos pra te endoidecer!


Mas, meu Amor, eu não tos digo ainda...

Que a boca da mulher é sempre linda

Se dentro guarda um verso que não diz!


Amo-te tanto! E nunca te beijei...

E nesse beijo, Amor, que eu te não dei

Guardo os versos mais lindos que te fiz!



Florbela Espanca

Cicatrizes da Vida



Nós os dois pura matemática

Como num problema complexo de difícil resolução,

Fórmula vazia de nexo,

Num equilíbrio perfeito e lógico encontramos a solução

Nem sempre os momentos são bons

E tudo fica por dizer

Mas basta o teu olhar e eu sei que não me vou perder

Como que nos leva a fazer coisas que nós nem sempre queremos

Assim é o amor

Tempestade de impulsos, turbilhão de sentimentos

Mas apesar dos fracassos e das marcas que ficam de balas perdidas

São disparos certeiros que nos deixam marcadas

Cicatrizes da vida

Somas de parcelas que não são mais

Do que pedaços de ti e de mim,

Numa química onde somos iguais



Menito Ramos

Um enorme nada


Talvez não chegue a ser nada, mas o simples facto de me pôr a pensar no assunto já é bom sinal. Sinal de que os tempos mudam e com eles a minha vontade. Vontades que pensava perdidas. Sentimentos que julgava já não achar. Pensamentos que nunca pensei voltar a ter. Não foi desta que morri. Apenas morreu parte de mim. Mas a vida que me resta nas mãos ainda tem vontade própria. Estava muito longe. Uma vez mais não vi sinais. Não vi nada surgir de mansinho. Nenhuma sombra ou brisa surgiu primeiro. Daí não ter podido observar as cores nem os sons, muito menos cheiros. Porque serei eu tão desatenta à vida? Porque terei eu tanto medo de respirar, se tenho perfeita consciência que morro se não o fizer? Porque será que me sinto vazia sem estes sentimentos, mas fujo deles como se fossem terra de fogo e no entanto adoro-os?!

Contradições. Pedaços de mim. Se um dia conseguir juntar tudo de novo provavelmente voltarei a me encontrar. E se me encontrar que seja numa praia deserta, com novelos de espuma a correr, o coração cheio de esperança e os teus olhos cor de mar pra contemplar.


Mystic

Amizade


Amizades são feitas de pedacinhos. Pedacinhos de tempo que vivemos com cada pessoa. Não importa a quantidade de tempo que passamos com cada amigo, mas a qualidade do tempo que vivemos com cada pessoa. Cinco minutos podem ter uma importância muito maior do que um dia inteiro ... ou uma vida inteira. Saboreio cada momento bom da minha vida, porque sei que não se voltará a repetir.


Palavras sem linha

Ignorância




“A ignorância é a noite da mente, mas uma noite sem lua nem estrelas”.
"Muito sabe quem conhece a própria ignorância”.



Confúcio

karta de amor



Nada mais a dizer. apenas a dor ke sinto por dentro por mais uma vez ter falhado, o ke te vem encher de razao pela tua magoa. sim, sou um kobarde por nao me ter aberto por kompleto ktgo, eskondi te parte de mim kuando nao o devia, kalei me kuando devia ter partilhado. nao o fiz. sou assim por habito, e falho. falho kom as pessoas ke me kerem bem, e essa é a razao pro estar so, e assim kontinuar. talvez seja esse o meu destino, nao sei.penso ke por esta altura me estejas a odiar, e kom razoes para isso, mas nao sera por essa razao ke mudarei o ke sinto.lamento ter sido assim, nao mudei o suficiente, perdi me nas minhas inseguranças nos meus medos e akabei por te perder, mereci-o.nada mais a fazer.fizeste bem em me ter riskado da vossa vida, eu nao iria merecer o teu amor, nem a tua amizade, nem devia nunka ter kruzado o teu kaminho.......posso ter provokado essa magoa toda, nao era essa a ideia, nem o meu desjo, mas assim akonteceu, lamento....mas uma koisa nunka poderas afirmar, kuando te disse ke te amava e keria fikar ktg, nao te menti senti o e kontinuo a sentir, apesar de nao me akreditares.trata bem de ti, se feliz, é a ultima koisa k te peço....mereces todo o amor do mundo, es uma pessoa muito especial, e vais konseguir enkontrar alguem ke te faça sentir bem.ps- blogs, hi5, etc, para mim nao me interessa pra nada, faz o k kiseres, estas no teu direito. ate podes apagar me pra sempre, eu nunka te irei eskecer....akontece , kuando se ama, mesmo ke nao proceda korretamente....AMORO TE

inkognito

sábado, 11 de outubro de 2008

Menino do bairro negro - José Afonso

Olha o sol que vai nascendo
Anda ver o mar
Os meninos vão correndo
Ver o sol chegar
Ver o sol chegar

Menino sem condição
Irmão de todos os nus
Tira os olhos do chão
Vem ver a luz

Menino do mal trajar
Um novo dia lá vem
Só quem souber cantar
Virá também

Negro bairro negro
Bairro negro
Onde não há pão
Não há sossego

Menino pobre o teu lar
Queira ou não queira o papão
Há-de um dia cantar
Esta canção

Olha o sol que vai nascendo
Anda ver o mar
Os meninos vão correndo
Ver o sol chegar
Ver o sol chegar

Se até da gosto cantar
Se toda a terra sorri
Quem te não há-de amar
Menino a ti

Se não é fúria a razão
Se toda a gente quiser
Um dia hás-de aprender
Haja o que houver

Negro bairro negro
Bairro negro
Onde não há pão
Não há sossego

Menino pobre o teu lar
Queira ou não queira o papão
Há-de um dia cantar
Esta canção

Olha o sol que vai nascendo
Anda ver o mar
Os meninos vão correndo
Ver o sol chegar
Ver o sol chegar

"All the poems have wolves in them.


All but one.


The most beautiful one of all.


She dances in a ring of fire

and throws off the challenge with a shrug."

Vinho...


Derramá-mos o vinho

de nossa mesa,

quando beber,

seria a eternidade.....

numa noite

onde promete-mos.....

ser....fiel.....

sexta-feira, 10 de outubro de 2008

Amar-te-ei....


amar-te-ei para o sempre,

e eterno..dia...

Meu herói pequeno - Tony Carreira

Eu ando em viagem mas sempre a teu lado
Na minha bagagem levo a tua imagem, o teu nome gravado
Como poderia esquecer-te um segundo
Se és minha alegria nesta vida fria neste negro mundo


REFRÃO:
Meu herói pequeno, sorriso sereno, homem pequenino
Cresce devagar, que eu quero chegar a tempo de ver
A tua mudança e ter a esperança que serás meu filho
A mesma alegria que me deste um dia ao ver-te nascer

Quando em horas mortas me envolve a tristeza
Levo a tua imagem que me dá coragem e me dá certeza
Eu sempre serei aquele homem certo
Que mesmo distante está sempre atento está sempre perto

Vida....


....sinto novamente a vida em mim.....
....pensando que não serás apenas
ilusão ou desejo.....

Horizonte...


...com o olhar no horizonte...
....onde te vi pela ultima vez......

Era - Estopa

Era como el sol a la mañana
luna blanca en soledad,
prohibida entre las manzanas.
sabe que esta dentro de mis sueños
mi pecado original
que me condena y me salva
era la lluvia en madrugada
calidad como un fogon,
era fiera como una pantera
y suave como el algodon,
era siempre primavera

Se marcho
se fue por donde habia venido y no volvio
y me ha dejado con dos tazas de cafe,
y un papel que dice adios y una foto de carnet,
y el alma llena de pena.

Siempre me despierto por las noches no puedo dormir,
se me queda el alma en vela
y sueño despierto con recuerdos que quieren salir,
tengo la memoria llena.
fue una noche negra y prisionera
de una carcel de cristal,
y yo sigo preguntando
pero nadie sabe donde esta,
nadie tiene la respuesta

Era la lluvia de madrugada calidad como un fogon,
era fiera como una pantera y suave como el algodon,
era siempre primavera

Se marcho
se fue por donde habia venido y no volvio
y me ha dejado con dos tazas de cafe,
y un papel que dice adios y una foto de carnet,
y el alma llena de pena. (x2)

Te Vi Te Vi - Estopa

Tu tranquilo que la rabia sale sola
No las busques porque te quema
No te asustes si tu miedo no te asusta
Y no corras porque das pena

Nunca estuviste en el cielo
Eres de los que no vuelan
Presidiario del silencio frio
Que la sangre hiela, si se ha muerto un sentimiento

Yo le encenderé una hoguera
De esas que llevo por dentro
De esas que de fuego me queman
Y he perdido los papeles
Y me han echado de la tierra

Te vi te vi pero no se donde
Reza pa que no me pierda
Ya he llegado al horizonte
Se avecina una tormenta
Me voy a tirar al monte
Y reza pa que no me pierda

Me han robado el esqueleto
Me quema la carretera
A mi no me quema el fuego
Aquí solo huele a rueda
Siempre quiero estar contento
Triste no valgo la pena
Si me ahogo en tu lamento
Llévame siempre a tu vera

Así que deja de inventarte recetas
Pregúntale a las brujas
Que aun van a la hoguera

Mira bien la talla
Al cambiar de chaqueta
Y escondeme del monstruo
Y que no me vea
Llévame siempre a tu vera

Long Nights - Eddie Vedder

Have no fear
For when I'm alone
I'll be better off than I was before


I've got this light
I'll be around to grow
Who I was before
I cannot recall


Long nights allow me to feel...
I'm falling...I am falling
The lights go out
Let me feel
I'm falling
I am falling safely to the ground
Ah...


I'll take this soul that's inside me now
Like a brand new friend
I'll forever know


I've got this light
And the will to show
I will always be better than before


Long nights allow me to feel...
I'm falling...I am falling
The lights go out
Let me feel
I'm falling
I am falling safely to the ground
Ah...

Água...


....sou a água

que te queima

longe de tuas entranhas,

como gérmen

que adormeçe em ti,

e se desperta em fúria,

para te afogar

nos braços da saudade....

quinta-feira, 9 de outubro de 2008

Que fazemos, quando temos o mundo...mas o mundo não nos tem a nós..?
There's no wrong or right
but I'm sure there's good and bad
the questions linger overhead

No matter how cold the winter
There's a springtime ahead
I'm thumbing my way back to heaven

I wish that I could hold you
I wish that I had
Thinking about heaven

I let go of the rope
Thinking that's what held me back
And in time I've realized
It's now wrapped around my neck

quarta-feira, 8 de outubro de 2008

" Vivemos num mundo onde precisamos nos esconder para fazer amor.... .....enquanto a violência é praticada em plena luz do dia..."






John Lennon

terça-feira, 7 de outubro de 2008

Sei de um rio - Camané


Sei de um rio, sei de um rio
Em que as únicas estrelas nele sempre debruçadas
São as luzes da cidade
Sei de um rio, sei de um rio
Onde a própria mentira tem o sabor da verdade
Sei de um rio…
Meu amor dá-me os teus lábios, dá-me os lábios desse rio
Que nasceu na minha sede, mas o sonho continua
E a minha boca até quando ao separar-se da tua
Vai repetindo e lembrando
Sei de um rio, sei de um rio
Meu amor dá-me os teus lábios, dá-me os lábios desse rio
Que nasceu na minha sede, mas o sonho continua
E a minha boca até quando ao separar-se da tua
Vai repetindo e lembrando
Sei de um rio, sei de um rio
Sei de um rio, até quando


Pedro Homem de Melo - Alain Oulman

domingo, 5 de outubro de 2008

Desabafos


Sempre há um amanhã e a vida nos dá outra oportunidade para fazer as coisas bem, mas se por acaso me equivoco e hoje é tudo o que nos resta, eu gostaria de te dizer o quanto te quero, que nunca te esquecerei.


Gabriel Garcia Marquez

AMIZADE

"Faço-te vício

para me desculpar

desta tão grande desatenção

a todas as outras coisas

um dia morrerei

só para não te ver partir "



Lobo Meigo

Palavras

... Sim Senhor, tudo o que queira, mas são as palavras as que cantam, as que sobem e baixam ... Prosterno-me diante delas... Amo-as, uno-me a elas, persigo-as, mordo-as, derreto-as ... Amo tanto as palavras ... As inesperadas ... As que avidamente a gente espera, espreita até que de repente caem ... Vocábulos amados ... Brilham como pedras coloridas, saltam como peixes de prata, são espuma, fio, metal, orvalho ... Persigo algumas palavras ... São tão belas que quero colocá-las todas em meu poema ... Agarro-as no vôo, quando vão zumbindo, e capturo-as, limpo-as, aparo-as, preparo-me diante do prato, sinto-as cristalinas, vibrantes, ebúrneas, vegetais, oleosas, como frutas, como algas, como ágatas, como azeitonas ... E então as revolvo, agito-as, bebo-as, sugo-as, trituro-as, adorno-as, liberto-as ... Deixo-as como estalactites em meu poema; como pedacinhos de madeira polida, como carvão, como restos de naufrágio, presentes da onda ... Tudo está na palavra ... Uma idéia inteira muda porque uma palavra mudou de lugar ou porque outra se sentou como uma rainha dentro de uma frase que não a esperava e que a obedeceu ... Têm sombra, transparência, peso, plumas, pêlos, têm tudo o que ,se lhes foi agregando de tanto vagar pelo rio, de tanto transmigrar de pátria, de tanto ser raízes ... São antiqüíssimas e recentíssimas. Vivem no féretro escondido e na flor apenas desabrochada ... Que bom idioma o meu, que boa língua herdamos dos conquistadores torvos ... Estes andavam a passos largos pelas tremendas cordilheiras, pelas .Américas encrespadas, buscando batatas, butifarras*, feijõezinhos, tabaco negro, ouro, milho, ovos fritos, com aquele apetite voraz que nunca. mais,se viu no mundo ... Tragavam tudo: religiões, pirâmides, tribos, idolatrias iguais às que eles traziam em suas grandes bolsas... Por onde passavam a terra ficava arrasada... Mas caíam das botas dos bárbaros, das barbas, dos elmos, das ferraduras. Como pedrinhas, as palavras luminosas que permaneceram aqui resplandecentes... o idioma. Saímos perdendo... Saímos ganhando... Levaram o ouro e nos deixaram o ouro... Levaram tudo e nos deixaram tudo... Deixaram-nos as palavras.

Pablo Neruda

Bring your love

The morning wind comes from your street
Please don’t make me wait
We need to meet
Bring your love to me



Your’re the breeze in the trees
You’re the gates to the garden
You’re the sound and you’re the spring
You’re the wine you’re the water
Bring your love to me



I still wait for you my lover
You may come now at any hour



You’re the breeze in the trees
You’re the gates to the garden
You’re the sound and you’re the spring
You’re the wine you’re the water
Bring your love to me




Sharyar Mazgani

sábado, 4 de outubro de 2008

A verdade

"Information is not knowledge. Knowledge is not wisdom. Wisdom is not truth. Truth is not beauty. Beauty is not love. Love is not music. Music is THE BEST..."
- Frank Zappa

Perfeição


"A verdade está dentro de nós. Não surge das coisas externas, mesmo que assim acreditemos. Há um centro interno onde a verdade habita em sua plenitude. Mas as espessas camadas da carne grosseira impedem o seu esplendor. A pervertida rede carnal frusta, emaranha e faz tudo parecer errôneo. Para alcançar a sabedoria, o indivíduo tem que abrir de dentro para fora, um caminho. Por onde o aprisionado esplendor possa passar. Ao invés de tentar absorver a luz, supondo que ela se encontre além de si mesmo."


Sidharta




Estou no Blog.com.pt


Corre...Rebelde...

...CORRE
SALTA
ESPERNEIA COMO UMA AVE ENRAIVECIDA
RESMUNGA COMO O PROFUNDO
RESPIRAR DE UM VELHO,
NEGRA E MORTAL
FERIDA NA MENTE
DESCALÇA SOBRE OS REBENTOS
DA TERRA,
SOBRE OS FRUTOS BRAVOS
DE PEDRA
QUE SANGRAM DE ÇIU....
ONDE ESTAVAS ?
QUANDO ALGUEM ME CONVIDOU
PARA A CAMA
QUANDO A SOLIDÃO ME ABRAÇA
E ME POSSUI...

CORRE,
SALTA,
PELO PASTO QUE RESTA
PELO SAL DE UMA LÁGRIMA
REBELDE...


Nimbus

Paixão...





...NÃO ME OLHES,
NÃO ME TOQUES,
NÃO ME SINTAS,
QUE A PAIXÃO VEM
Á BOLÉIA DO TEMPO...






Nimbus

Desistir....

....ACABO DE DESISTIR
RECUSO-ME A PENSAR
JÁ NÃO CONSIGO
SOU FIEL AO LAMENTO DA LUA
DAS GUERRAS QUE TRAVAM AS
LINGUAS
E O SEXO REBULANDO NUMA
FEITIÇARIA INTERMINÁVEL
E TORNÁ-MO-NOS ANIMALESCOS
Á PROCURA DA PURPURA NO FLUXO
DO AMOR....


Nimbus

sexta-feira, 3 de outubro de 2008

Perdidamente




Que vontade de te amar
De me perder completamente em ti
Parar o tempo e deliciar-me contigo
Entranhar-me no teu cheiro



Palavras que ganham magia
Ao juntarem-se em tua homenagem
Que falam de ti
E de mim
Que descrevem fantasticamente
O feitiço que há em nós
Mystic


Estou no Blog.com.pt

Parisienne Walkways





I remember Paris in '49.
The Champs Elysee, San Michelle,
and old Beaujolais wine.
And I recall that you were mine
in those Parisienne days.


Looking back at the photographs.
Those summer days spent outside corner cafes.
Oh, I could write you paragraphs,
about my old Parisienne days.

Gary Moore

Estou no Blog.com.pt

quinta-feira, 2 de outubro de 2008

AMIGOS


Tenho amigos que não sabem o quanto sao meus amigos. Não percebem o amor que lhes devoto e a absoluta necessidade que tenho deles. A amizade é um sentimento mais nobre que o amor, eis que permite que o objeto dela se divida em outros afetos, enquanto o amor tem intrinseco o ciume, que não admite a rivalidade. E eu poderia suportar, embora não sem dor, que tivesse morrido todos os meus amores, mas enlouqueceria se morressem todos os meus amigos! A alguns deles não procuro, basta-me saber que eles existem. E às vezes, quando os procuro, noto que eles não têm noção de quanto me são necessários, de como sao indispensáveis... Se um deles morrer, eu ficarei torto para um lado.Se todos eles morrerem, eu desabo!
"A gente não faz amigos, reconhecemo-los."

sinais de luz.2




















ke suave tarefa os deuses nos entregaram
enfrentar o dia
possuir o tempo
saborear as noites
sempre komo se fosse o ultimo instante
será essa a razão pela kual aki me enkontro
sem seker saber komo aki terei chegado
e akele suave bom dia desperta-me
para o mundo para as pessoas para as koisas
para tudo akilo ke tento renunciar

konsigo visualizar a tua imagem
sinto o teu korpo perto de mim
a tua respiração
o teu cheiro kontacto a pele
identifico-te indentifiko-me

persigo a tua sombra em todo o lado
ouço a tua respiração no vento
o bater do teu koração
em todas as koisas vivas
uma poderosa energia a atingir-me
Asgard nao voltara a ser a mesma

sonhei kontigo senti frio
nao estavas


Dr. Gummies