sexta-feira, 22 de junho de 2018

Doubts...

"Doubts the light of stars,
the sun has heat,
doubt even the truth,
but trust in my love..."

William Shakespeare, Hamlet ☮️☯️❤️

sexta-feira, 8 de junho de 2018

Desço a rua...

Desço a rua
contando as mariposas suicidas
pontapeando as caricas
testemunhas de alegrias
ou tristezas de outrora
faço agora parte da noite
e meu rosto
é apenas exposto
pelos candieiros sentinelas das esquinas
denunciando-me a insónia
sou a aberração da calçada
húmida pela carícia do orvalho
vale-me a lua
cúmplice desta minha
longa e louca
procura por ti...

quinta-feira, 7 de junho de 2018

Esta noite...

Esta noite viestes visitar-me,
Trazias os olhos inundados
pela monção interminável,
O doce tímido pólen
de uma primavera esquiva,
Nunca estivemos
tão perto...

Mas tudo se esvai pela manhã...

terça-feira, 5 de junho de 2018

Procuro-te...

"Porém eu procuro-te.
Antes que a morte se aproxime,
procuro-te.
Nas ruas, nos barcos, na cama,
com amor, com ódio, ao sol, à chuva,
de noite, de dia, triste, alegre
procuro-te.

Eugénio de Andrade, in "As Palavras Interditas"

quinta-feira, 31 de maio de 2018

Ah meu amigo...

ah meu amigo
estou definitivamente só
estou preparado para o grande isolamento da noite
para o eterno anonimato da morte
mas perdi o medo
a loucura assola-me
preparo a última viagem às Índias imaginadas
disseram-me que só ali se pode descansar da vida
e da morte.......

Al Berto in "O Medo"

domingo, 29 de abril de 2018

Minha tribo...

....minha tribo partiu,
em busca de prados de abundância,
e eu,
nas crinas da solidão,
penso ainda fazer de ti,
uma dança de esperança.....

quinta-feira, 12 de abril de 2018

Os Amigos

no regresso encontrei aqueles 
que haviam estendido o sedento corpo 
sobre infindáveis areias 

tinham os gestos lentos das feras amansadas 
e o mar iluminava-lhes as máscaras 
esculpidas pelo dedo errante da noite 

prendiam sóis nos cabelos entrançados 
lentamente 
moldavam o rosto lívido como um osso
mas estavam vivos quando lhes toquei 
depois 
a solidão transformou-os de novo em dor 
e nenhum quis pernoitar na respiração 
do lume 

ofereci-lhes mel e ensinei-os a escutar 
a flor que murcha no estremecer da luz 
levei-os comigo 
até onde o perfume insensato de um poema 
os transmudou em remota e resignada ausência 

Al Berto, in 'Sete Poemas do Regresso de Lázaro' 

segunda-feira, 9 de abril de 2018

Amanhã

amanhã,
já não serão os amores a forma perfeita de amar,
nem os amantes a forma perfeita de beijar, mas sim a apneia serena do mar no deslumbrante ciclo das aves.......☮️☯️❤️

sexta-feira, 6 de abril de 2018

De palavra em palavra

De palavra em palavra
a noite sobe
aos ramos mais altos

e canta
o êxtase do dia.

Eugénio de Andrade

quarta-feira, 21 de março de 2018

Quando

Quando


Quando o meu corpo apodrecer e eu for morta 
Continuará o jardim, o céu e o mar, 
E como hoje igualmente hão-de bailar 
As quatro estações à minha porta. 

Outros em Abril passarão no pomar 
Em que eu tantas vezes passei, 
Haverá longos poentes sobre o mar, 
Outros amarão as coisas que eu amei. 

Será o mesmo brilho, a mesma festa, 
Será o mesmo jardim à minha porta, 
E os cabelos doirados da floresta, 
Como se eu não estivesse morta. 

Sophia de Mello Breyner Andresen, in 'Dia do Mar'